fbpx

Uma lição que Michel Temer não aprendeu

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Saul permanecia rei de Israel, quando Deus, aborrecido com ele, escolheu Davi. Mas, Saul continuaria rei enquanto vivesse. Entregue à própria sorte, Saul aliviava o espírito ouvindo as músicas tocadas por Davi, sem saber que estava diante do sucessor. Com o tempo, ficou tomado pelo ciúme ou inveja de Davi e iniciou-se o enfrentamento.

Davi teve algumas oportunidades para matar Saul, mas não fez. Ele sabia que ao levantar a espada contra o rei estaria autorizando os súditos agirem da mesma forma com ele, quando assumisse o trono. E levou isso às últimas consequências, como foi, numa das batalhas do povo de Israel contra os filisteus. Na batalha, Saul viu morrerem os filhos Jônatas, Abinadabe e Malquisua. Deprimido, ele pediu que o pajem aliviasse a dor matando-o. O pajem negou o pedido. Saul, então, cuidou ele mesmo de dar fim à própria vida. O pajem o acompanhou.

Davi soube da morte de Saul e dos filhos através de um espertalhão, que achara os corpos. Para fazer média com o novo rei, o espertalhão assumiu a morte de Saul. Contou a Davi que com a espada tirou a vida do rei. Davi condenou o esperto à morte, porque, entendeu que ninguém do povo poderia levantar a espada contra o rei.

Pensem em Dilma como Saul e vejam como a história do Michel poderia ter sido diferente.

Por Jackson Vasconcelos

 

Mais Publicações

Uncategorized

O SANTO É DE BARRO.

Calma com o andor, porque o santo é de barro.  O Prefeito Eduardo Paes convidou o escritor Ruy Castro para uma das reuniões com os

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.