fbpx

Que raios de política é essa?

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Artigo.TemerPolítica se faz com doses certas de emoção e racionalidade. O exagero no uso de qualquer dos ingredientes causa indigestão. A ausência dos dois, mata.

Michel Temer nada aprendeu com o impeachment da Dilma Rousseff. Nem com a vida. Ele assumiu o governo sem legitimidade. Por isso, a primeira medida inteligente dele deveria ser conquistá-la, mas fez o contrário. Nomeou ministros com biografias ilegítimas para o cargo. Na arrancada, perdeu Romero Jucá. Depois, Marcelo Calero, um sujeito capaz de gravar conversas confidenciais que teve com o presidente. Quase no mesmo momento, o folgado Geddel Vieira Lima. Perderá Moreira Franco, que pareceu mais esperto no início do processo, quando não aceitou a alcunha de Ministro.

Michel Temer abençoou Eduardo Cunha e aproveitou a brecha aberta no Supremo Tribunal Federal para lançar pra lá o Ministro da Justiça, com a sociedade cheia de dúvidas sobre a intenção do gesto.

Michel Temer jogou fora a oportunidade que a inépcia da Dilma Rousseff e a estupidez do Lula, que a escolheu, lhe deram a chance de ser presidente da república e registrar o nome de forma positiva na história do Brasil.

No governo Michel Temer faltam emoção e racionalidade. É um governo que causa náuseas e faz mal à saúde. Um governo que morre rápido a cada decisão do presidente.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Cometário rápido

A DEMOCRACIA E O GOLPE. 

Carnaval de 2024.  O último capítulo do livro “Sexta-feira, 13 – os últimos dias do governo João Goulart”, o autor Abelardo Jurema, Ministro da Justiça

Livros

“Sexta-Feira, 13…”

14 de fevereiro de 2024.  “Passado o episódio do Estado de Sítio, parecia que o Presidente João Goulart iria nortear o seu Governo mais para

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.