fbpx

Não somos franceses. Apenas, um pouco parecidos

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Luciano Huck gostou do modelo político francês. É o que diz Maurício Lima, no Radar da VEJA. Lá, o presidente é escolhido e só uma semana depois, escolhem-se os parlamentares. Luciano Huck acredita que desse modo seria possível o presidente eleito no Brasil compor maioria no Congresso Nacional, dispensando as barganhas.

Parece lógico, para quem desconhece o funcionamento do modelo político brasileiro e dispensa o fato de a França ser um país parlamentarista, enquanto o Brasil tem um sistema político meio misturado, híbrido e um tanto picareta.

Por aqui, eleitos o presidentes e os governadores, como quer Luciano Huck, antes da campanha para deputados federais, senadores e deputados estaduais, as oposições serão fulminadas por um velho costume: a expectativa de poder, que garantirá acesso às verbas públicas e nomeações. Simples assim.

E, já que o Presidente Emmanuel Macron é estrela política do Luciano Huck, cabe um esclarecimento a ele e a quem ainda acredita que Emmanuel (no hebraico, “Deus conosco”) foi uma abstração da política: Emmanuel Macron pertenceu aos quadros do partido socialista francês. Tentou ser candidato ao parlamento francês em 2007, mas os correligionários lhe negaram uma vaga de candidato. Foi convidado para a função de Vice-Chefe de Gabinete do Primeiro-Ministro François Fillon, adiante, seu adversário na eleição presidencial. E, por fim, fez parte do governo do presidente François Hollande, em funções de absoluto relevo: Secretário-Geral-Adjunto e Ministro da Economia. Hollande desistiu da reeleição, pelo alto grau de reprovação popular.

Certamente, Macron venceu a eleição em França, porque o adversário favorito, outro François, esse Fillon, fez uma besteira enorme com a própria imagem. O dado é importante para deixar a descoberto os “cientistas políticos” nacionais, que atribuem ao povo francês a sabedoria que elegeu um estranho no ninho da política, aquilo que eles chamam de “outsider”.

Bobagem! Na França, venceu o novo da política tradicional. É isso e ponto final.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.