fbpx

Jackson: “A arte de fazer inimigos”

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Publicado no Diario do Rio no dia 14 de junho de 2023.

Jackson Vasconcelos conta as histórias de amizades e traições dos candidatos a prefeito do Rio de Janeiro desde Miro Teixeira com Chagas Freitas a Eduardo Paes com Cesar Maia

Quintino registrou “Eduardo Paes e a arte de fazer inimigos“. É verdade. Eduardo Paes, nesse campo, age com propriedade: faz inimigos, assim como faz amigos, com a mesma velocidade, mas nunca na mesma proporção, pois ele tem vencido eleições e ao que eu tenho visto poderá vencer mais uma, pois até aqui falta-lhe adversários à altura.

Eduardo Paes é a melhor demonstração de um comportamento comum na política: as conveniências. Aquilo que o cidadão não político chama de traição, a política lê como conveniência. Em todo o lugar é assim no globo terrestre, de norte a sul, de leste a oeste. Mas fico, para efeito de demonstração, com a política carioca, pela curiosidade dos movimentos.

Enquanto foi conveniente ao Miro Teixeira ter uma ligação estreita com o governador Chagas Freitas, assim ele fez até acreditar que para ser prefeito do Rio deveria abandonar o antigo padrinho, o amigo de bastante tempo. Deu com os burros na água. Sabe-se que Chagas Freitas morreu sem perdoá-lo.

Cesar Maia surgiu na política com o apoio de Leonel Brizola, que deu a ele funções proeminentes, a ponto de torná-lo um candidato competitivo para a Prefeitura do Rio de Janeiro. Brizola, contudo, acreditou que na eleição de 1992, seria ainda cedo demais para concordar com o desejo do amigo de ser prefeito do Rio. Cesar Maia, então, livrou-se do Brizola, fez uma campanha duríssima contra ele e contra a candidata dele, Cidinha Campos, que morreu na praia. Com mais sorte ou inteligência que Miro Teixeira, Cesar Maia chegou à prefeitura e fez de Luiz Paulo Conde seu sucessor. Conde manteve-se amigo de Cesar Maia, enquanto lhe foi conveniente. Para continuar prefeito chutou o antigo aliado e, como aconteceu com Miro, deu com os burros na água.

Chegamos ao Eduardo Paes e para quem conhece o enredo pode ser cansativo repetir. Faço-o em respeito a quem não conhece. Eduardo Paes foi amigo de Cesar Maia até ser mordido pelo desejo de chegar à prefeitura antes do tempo determinado pelo padrinho. Então, Eduardo rompeu relação com Cesar Maia, fez uma campanha duríssima contra o ex-amigo, com acusações as mais estranhas e venceu a eleição. Uniu-se ao Sérgio Cabral e ao Lula e assim ficou até que a companhia dos dois fosse incômoda. Então, voltou, no primeiro momento, aos braços do Cesar Maia e, logo depois, ao aconchego do Lula. Certamente, não se atreveria a voltar a conviver com Sérgio Cabral. Sabe-se lá.

Tenho uma dúvida: haverá alguém, nas próximas eleições, que sendo hoje amigo do Eduardo Paes venha a ser inimigo dele, quando for contrariado?  O futuro a Deus pertence.

Mais Publicações

Cometário rápido

A DEMOCRACIA E O GOLPE. 

Carnaval de 2024.  O último capítulo do livro “Sexta-feira, 13 – os últimos dias do governo João Goulart”, o autor Abelardo Jurema, Ministro da Justiça

Livros

“Sexta-Feira, 13…”

14 de fevereiro de 2024.  “Passado o episódio do Estado de Sítio, parecia que o Presidente João Goulart iria nortear o seu Governo mais para

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.