fbpx

Debate decide?

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Entre todos os bons debates políticos que há como referência, o primeiro ocorrido na TV americana entre Nixon e Kennedy é o mais estudado, pelas lições no campo da imagem e conteúdo. Nixon chegou ao estúdio com uma vantagem de seis pontos percentuais na pesquisa de intenção de votos. Após o debate a diferença diminuiu aos poucos, mas com rapidez, até ser revertida a favor de Kennedy e de lhe dar a vitória. Nixon passou todo o tempo preocupado com o adversário. Kennedy falava para as câmeras como se falasse com o eleitor. 

A imagem física deu vantagens ao Kennedy. Tanto é que, após o debate, as pesquisas identificaram um fenômeno: quem ouviu pelo rádio deu vantagem a Nixon que, sem dúvida, tinha mais experiência e vigor com as palavras. Quem assistiu pela TV considerou Kennedy muito melhor. Já fiz vários comentários e análises sobre este debate. 

Os debates têm importância numa campanha, mas o resultado de uma eleição se dá pelo conjunto da obra, que começa no momento em que o candidato decide concorrer. Há os prazos legais, é verdade, mas que a política não respeita, porque os prazos legais estão no campo da racionalidade e campanha é sentimento, vontade, determinação. 

Se o candidato decidir muito tarde, terá que correr mais que os adversários; se decidir muito cedo, terá tempo para planejar com capacidade de avaliar cada passo. O aviso ao público se dá em tempo e com resultados diferentes, a depender da estratégia traçada pelo candidato. A ocasião dele ou dela compartilhar com outras pessoas o desejo de disputar será melhor aproveitada se considerada como estratégia. E, por ser uma decisão estratégica de um exame  com base nos conceitos de oportunidade e ameaça. O tempo certo de compartilhar definirá o tempo que se tem para planejar a campanha. 

A vontade de ser cria o discurso e ele, o debate, que se dá quando a mensagem do candidato, peça fundamental numa campanha, faz o adversário reagir. Sem a reação do adversário, não existe debate e o discurso segue o impulso que lhe deu o seu autor e pode passar pelo eleitor sem ser notado. Sabe-se que o eleitor notou o discurso, quando o adversário reage. Eu não considero como debate uma discussão ou troca de opiniões entre candidatos. Para mim aí se terá uma conversa, que pode ser agradável ou desagradável, para um ou para todos os candidatos. Para ser um debate a troca de opiniões e palavras deve provocar reações entre os adversários a ponto de elas serem capturadas pelos eleitores e transformadas em voto ou negação. 

O confronto com efetividade pode ser entre as imagens, ideias, opiniões, acusações, apoiamentos e, de forma mais fria, propostas. O relevante é saber que a qualidade e o teor dos debates como elemento de convicção é decisão do eleitor. Por isso, perde tempo o candidato que debate com os adversários se não compreender que eles são veículos, plataformas, simplesmente, que precisam atingir os eleitores pelas reações dos adversários. 

Para um estrategista o conceito é relevante, decisivo, quando ele prepara um candidato para um debate. Uma conversa fria, sem provocar reação dos adversários presentes e mesmo ausentes, não anima os apoiadores nem conquista novos. Ou seja, o candidato que chega aos debates com vantagem nas intenções de votos deve ficar na “retranca” e só oferecer energia ao debate se perceber que perde posições na imagem que tem com o eleitor. 

Preparar um candidato para um debate não é trabalho fácil, que se transforma numa rotina, porque cada debate é um novo jogo e pede novas estratégias. O candidato deve entrar em campo com uma meta objetiva e tendo um objetivo como meta. Digamos que esse objetivo seja se tornar mais conhecido, então, ele precisa ser contundente, ter presença forte. Mas, ser conhecido como o quê? Como um bom administrador público ou como um agente conservador, liberal? Que tema deve ser melhor aproveitado? 

Os debates relevantes para a história e estudos são os das campanhas presidenciais, mas há debates que aconteceram em outros tipos de campanha que ensinam bastante. Iniciei a prosa com um debate entre Nixon e Kennedy, nos EUA. A trajetória política de Richard Nixon tem muito a ensinar estrategistas. Ele fez uma carreira rápida até a Vice-Presidência da República. Perdeu a eleição para Kennedy, em seguida, se candidatou a governador da Califórnia, seu reduto eleitoral, e perdeu. A imprensa americana deu-lhe como morto. Se morreu, ressuscitou como Presidente da República ao vencer Hubert Horatio Humphrey.  E nessa estrada venceu outros debates. 

As campanhas presidenciais no Brasil aconteceram na TV, a partir de 1989, quando a sociedade conquistou o direito de eleger novamente os presidentes. O primeiro debate aconteceu nos estúdios da TV Bandeirantes, na abertura da campanha, no dia 7 de julho. Marília Gabriela moderou. Foi um debate rico, mas que não atendeu ao avisado pela moderadora: “Tem o objetivo de esclarecer os eleitores quanto às propostas e aos programas de governo dos candidatos”. A primeira experiência se estendeu no tempo: ficaram as frases de efeito, as provocações e as passagens mais engraçadas. 

Voamos no tempo em tecnologia, qualidade de comunicação e imagem e chegamos à eleição de 2018, quando houve uma reviravolta nos prognósticos das campanhas. A Bandeirantes saiu na frente, novamente, e, em razão da pandemia, ficou isolada na realização de debates. A tecnologia ofereceu ao eleitor a oportunidade de participar diretamente. A TV montou uma sala para pesquisa digital on-line. Novamente, prevaleceu a capacidade do candidato de, ao provocar os adversários, produzir fatos e conquistar eleitores.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Clipping

Paulo Ganime e a Insegurança Pública.

Não sorria. Você continua sendo enrolado.  O deputado federal Paulo Ganime produziu, para o Diário do Rio, um texto infeliz do título – “Sorria,você está

Público do Zema.
Cometário rápido

Romeu Zema e o Globo.

 “Subestimei a política”, diz Romeu Zema.  O sistema Globo tem entrevistado os candidatos à Presidência da República e aos governos estaduais. O governador Romeu Zema

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.