fbpx

Com mais atenção, seria melhor

Compartilhe!

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

Foi entrevistado pelo programa Roda Viva, na semana passada, o ministro Gilberto Kassab, da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações. Uma boa entrevista que, no entanto, teve início com uma saia justa: a dúvida das razões do ministro ter servido a dois senhores: Dilma Rousseff e Michel Temer.

O moderador Augusto Nunes perguntou: “Como o senhor se sente ao ser chamado de golpista pela ex-chefe?”. Kassab resumiu:“…fico triste”. Mas, Vera Magalhães do Estado de São Paulo insistiu: “Vou na continuação da pergunta do Augusto, porque isso é algo que intriga muito a sociedade brasileira. A sociedade brasileira viu um suceder de fatos estarrecedores na política e acha no mínimo peculiar, que alguém sirva a um governo até um dia e dois dias depois sirva a um governo que o depôs. Isso não é contradição? Como o sr. explica o fato de ser ministro de Dilma e de Temer. O sr. é um ministro mil e uma utilidades?”

O Ministro passou por uma saia-justa, sem necessidade. Os governos Dilma e Temer são o mesmo governo. E, se houve golpe esse foi do Congresso Nacional e não do Presidente Temer.

A resposta seria, então, simples: “Permaneço no mesmo governo. Temer assumiu por ser vice-presidente da presidente Dilma Rousseff. Foi vice nos dois governos dela. No governo Dilma eu fui ministro do governo Dilma/Temer. E é preciso reconhecer que não foi o governo Temer que depôs o governo Dilma. A presidente Dilma sofreu impeachment do Congresso Nacional. Agora, quanto a ser um ministro mil e uma utilidades, isso é fato. Tenho trabalhado muito, em razão disso.

Por Jackson Vasconcelos

Mais Publicações

Quer aprender mais sobre política?

Conheça nosso curso.